B R O D O W S K I

pintura pintura brasão


      








       A existência da cidade de Brodowski acha-se intimamente ligada à existência da Cia. Mogiana de Estrada de Ferro, que muito incentivou o progresso do interior de São Paulo, no último quartel do século passado. Organizada em 1872, sob a Presidência do Dr. Antônio de Queiroz Telles, Conde de Parnaíba, a velha ferrovia através da Lei nº 18, de 21 de Março do mencionado ano, obteve junto ao Governo da Província, concessão para iniciar construção de uma estrada de Campinas a Mogi-Mirim, de um ramal dessa localidade a Amparo e o prolongamento dali às margens do Rio Grande, passando por Casa Branca e Franca. O primeiro contrato, entre o governo e a Mogiana, foi assinado em 19 de junho de 1873. Iniciaram-se as obras em 28 de agosto do mesmo ano. A 3 de Maio de 1875, o trem chegava a Jaguari (depois chamada Jaguariuna), atingindo Mogi-Mirim no dia 27 de agosto, data da inauguração de sua estação. O ramal de Amparo foi inaugurado em 15 de novembro do mesmo ano de 1875. Somente dois anos depois, pouco mais ou seja no dia 14 de Janeiro de 1878, a estação de Casa Branca viria a ser aberta ao público. Em 16 de Agosto de 1882, o trem parava em São Simão e a 23 de Novembro de 1883 alcançava a cidade de Ribeirão Preto, que veio a ser chamada de "Capital D'Oeste".
       A inauguração da estação de Batatais deu-se a 3 de outubro de 1886. Constitui grande acontecimento, em virtude de acharem-se presentes ao ato o imperador Pedro II e sua esposa, a Imperatriz Teresa Cristina, acompanhados de grande séquito, do participavam o Ministro de Obras Públicas, conselheiro Antônio Prado e o Presidente da Província, Dr. Antônio de Queiroz Telles, sob cuja presidência a Mogiana havia sido organizada.
       Daí, prosseguindo em seu traçado, os trilhos da Mogiana, que forram ativando o seu desenvolvimento das regiões que atravessavam, de maneira surpreendente, chegaram a Franca em 5 de abril de 1887 e, finalmente, a 6 de Março de 1888, cumprindo fielmente seu programa de expansão, na primeira fase de sua existência, fecunda e progressista, inaugurou-se festivamente a estação de Jaguara, localizada as margens do Rio Grande, em terras de Minas Gerais .
       Quando se inaugurou a estação de Batatais (3.8.1886), as terras da Fazenda Belo Monte - entre Visconde de Parnaíba e Batatais - passaram a ser cortada pelos trilhos da Mogiana.
       Alguns meses depois o Cel. Lúcio Enéas de Mello Fagundes, procedente de São José dos Campos adquiriu o imóvel. Por volta de 1892, teve a idéia de oferecer, por doação, à ferrovia, área necessária à construção de uma estação em suas terras, era o que desejava. E tomou as primeiras providências, nesse sentido, acoroçoado por seus irmãos Domiciano, Francisco e Luiz, Fazendeiros vizinhos e mais o Cap. Américo José Ferreira e Cel. José Aleixo da Silva Passos, também proprietários agrícolas nas proximidades .
       Entusiasmaram-se, desde logo, vários outros fazendeiros da região, entre os quais Antonio Alves Ferreira, Joaquim Ferreira da Rosa Neto e Antônio Carvalho, que engrossaram a equipe de solicitantes junto a Mogiana, antes a idéia de terem à porta de casa o trem para transporte pessoal e de seus produtos, em especial o café, que já oferecia safras ponderáveis.
       A Cia. Mogiana recebeu com simpatia a solicitação. Era seu inspetor geral, à data, o Engenheiro Polonês, Dr. Alexandre Brodowski, que teve atitudes de padrinho. Era o homem forte da Mogiana, técnico de renome, que alcançara o cargo mercê de indiscutíveis méritos.
       Uma vez aprovada pela diretoria a proposta do Cel. Lúcio Fagundes, formalizou-se a escritura de doação da área necessária à execução das obras ( a estação, armazém e pátio de manobras). A escritura é esta:
       "Nós abaixo assinados Lúcio Enéas de Mello Fagundes e sua mulher Eulália Amélia Vieira Fagundes por este por nós assignado, declaramos que somos possuidores de uma parte de terras já divisadas na Fazenda da contenda desta comarca, e nessa parte de nossas próprias e livre vontades doamos à Companhia Mogiana o terreno necessário junto a Quilômetro 351 para nele edificar-se uma estação, armazém e chaves e transferem a mesma Companhia todo o direito, domínio e ação e poderá tomar posse da dicta propriedade com autoridade de justiça ou sem ela; e enquanto a não tomar se constituem possuidores em nome dela. E para segurança lhe passamos este que assignamos. Para os devidos efeitos declaramos que o valor da presente doação é duzentos mil réis. Batatais, 15 de janeiro de 1893. Lúcio Enéas de Mello Fagundes, Eudália Amélia Vieira Fagundes, testemunhas Olavo Francisco Mendes - José Chrissóstomo do Nascimento." (Escritura de próprio punho. Ortografada e respeitada) .
       Uma vez recebida e registrada a escritura em referência, iniciaram-se as obras e um ano e meio depois, se tanto, inaugurava-se a estação, ante o regozijo da população rural circunjacente.
       Era o dia 5 de setembro de 1894.
       A Cia. Mogiana de Estrada de Ferro, em homenagem ao seu ilustre inspetor geral, deu à estação o nome de Engenheiro Brodowski. Ao redor da estação, nasceria a cidade...
       Tomando-se como ponto de partida a doação em referência, pensamos que a data em fundação da localidade pode ser considerada como 5 de setembro de 1894, pois nesse dia abriu-se ao tráfego a estação, a primeira casa, edificada pelo Cel. Lúcio, o imóvel serviu-lhe de residência. Até pouco tempo atrás, ainda havia seu nome por extenso - Cel. Lúcio Enéas de Mello Fagundes - inscrito no foro da sala.
       Aprende-se através da pesquisa histórica que, em geral, as cidades surgem com a doação do patrimônio à capela e posse respectiva. Depois é que aparece a ferrovia. Em Brodowski não foi assim. A estação ferroviária chegou antes da capela. E não houve doação de terreno à Igreja para constituição do patrimônio, caso em que o loteamento teria sido feito através do sistema de aforamento.
       Em 22 de agosto de 1913, foi o distrito elevado à categoria de município, através da Lei nº 1.381, assinada pelo então Presidente do Congresso Legislativo do Estado de São Paulo, Dr. Francisco de Paula Rodrigues.
       E assim nasceu BRODOWSKI, terra natal de Cândido Portinari e Terra do Abacaxi.